Todalas entradas de Terrasenamos

“Para entender Cuba, compre identificar o mal que nos fai o inxusto bloqueo” (Diaz Canel a Felipe VI)

Rosa Lemos- Terra Sen Amos- Habana

Sen valorarmos a a terribel condena do bloqueo, mal se entenderán  as dificultades e as arelas de Cuba, recordou Diaz Canel a Felipe VI na primeira visita dun xefe de Estado español á que fóra a máis prezada provincia colonial que só na agonia da derradeira da guerra houbera de atinxir un estatuto de autonomia frustrado. Nunha réplica cortés dominada por referencias ao común acervo, Felipe VI só excitou a atención dos comensais cando, facendo un silenzo dramático e erguendo a voz, recordóu que só mediante o contraste democrático é posibel atopar solución aos problemas sociais, proposta notábel para un pais que elixe por votación popular o seu sistema de goberno e cargos locais e que ven de refrendar a súa nova constitución por maioria. A sanción provén dun xefe do Estado que nunca foi votado, reproba o dereito universal do referendo e nin admite que o CIS compulse o degrao de aceptación da institución monárquica.

Mentres os reis visitaban Habana, o presidente de Cuba, viaxaba a província de Guantánamo (a máis oriental da illa) para reunións de traballo que comezaron no concello de Caimanera (foto de Granma).

Tendo en conta que o obxectivo principal  da visita do Rei é a defensa de empresas procedentes do Levante español na industria hoteleira estatal cubana, de a pouco ameazadas pola aplicación do título III da Lei Helms-Burton (que desafia as nacionalizacións regularizadas do Estado de Cuba) o moralismo democrático de Felipe VI parece máis ben dirixido a súa propria parroquia mar por medio. De feito, poucas horas depois, o ministro Borrell cualificou perante a prensa de abuso de poder a lei Helms-Burton contra emprendimentos en Cuba.

Cuba goberna as súas relacións internacionais dende principios de solidariedade, independencia e respecto mutuo, como ben se pode seguir na discreción do seu ministerio de Estado a conta dos problemas da administración de xustiza da vella metrópole ao tratar coa UE. A activa axenda do presidente de Cuba levábao a unha asemblea local a Guantánamo só dúas horas depois da  intervención de Felipe VI.De feito, na véspera  da visita real, Diaz Canel, Raul Castro, Nicolás Maduro e outros xefes de goberno celebraban en Habana o Encontro Antiimperialista de Solidariedade, pela Democracia e contra o Neoliberalismo na que o presidente cubano salientaba o éxito do presidente democrático de Venezuela no cumio dos Paises non Alinhados no Azerbaixán. “Onde estava a censura da comunidade internacional à Venezuela? –preguntou Diaz Canel- Por que non puidemos ver, nos gobernos que representam a maioria absoluta das Nacións Unidas, nin un aceno de crítica ao goberno bolivariano? Porén, como parte da guerra de símbolos e de linchamento lanzado contra Maduro, os medios da metade do planeta proclaman que o presidente de Venezuela é recusado en todo o mundo”.

Recordando o regreso do ministro de Estado de Rajoy en taxi ao aeroporto da Habana, na fúnebre visita oficial de novembro de 2014, depois de García Margallo cair na tentación inxenua de recomendar a Cuba unha transición pacífica á democracia, a Casa Real tivo finalmente o raro privilexio dunha entrevista derradeira co secretario do Partido Comunista e heroe da Revolución, Raúl Castro. Breve encontro que mereceu titulares durísmos contra o monarca na prensa do Sindicato del Crimen.

O mundo volve condenar o bloqueo contra Cuba na ONU

Xosé Aponte – Terra Sen Amos (Jacksonville FLA)

Só dous gobernos en nómina dos EUA son partidarios de manter o bloqueo que comezara Kennedy hai 56 anos, mentres 187 paises recusan o ilegal e vesánico cerco de Cuba. O país máis armado do mundo, o que despacha anualmente máis do 81% da enerxia do planeta, cunha rede exterior de 170 bases militares, dominante no espazo, xogador de cartas marcadas na economia  internacional e contaminador confeso da WWW, só pode presentar dous entusiastas da moción do bloqueo, que resultan ser parte da súa estrutura política e económica. En Latinoamérica, suxeita dende o goberno Trump a unha misión anti-comunista que supera en retórica e sancións o pior da Guerra Fria, os EUA só tiveron o voto de Jair Bolsonaro, un presidente que mantén na cadea sen proceso ao seu adversario político principal. No resto do ancho mundo, só é partidario do Bloqueo o que en Oriente Próximo coñecen coma 51 Estado da Unión. O resto son dúas abstencións de Ucraína e Colombia: a dúbida cínica do goberno de Duque, encantado de ver a tropa colonial dos EUA cos uniformes do exército colombiano e Volodimir Zelenski que marca as súas diferencias con Poroshenko, socio de Hunter Binden, ou como queren en Alemania,  Ukraine Unter den Biden.

Martirena interpretou dende Granma que diplomaticamente o Bloqueo ailla aos EUA do mundo.

A prensa cubana recolle opinións dominantes na Asemblea, partidarias de rematar co bloqueo económico, comercial e financeiro contra Cuba que dende 1992 son expresión dominante na inatancia máxima da ONU.

Contra seis décadas da medidas ilegais contra Cuba, adoptadas polas sucesivas administracións da Casa Branca,  para derrocar á Revolución, expresouse o Movemento de Países Non Alinhados (MNOAL), na intervención de Yashar Aliyev, representante permanente de Azerbaián perante a ONU, quen cualificou a política estadounidense de completamente inxustificada, e contraria a Carta das Nacións Unidas e as normas e principios que rexen as relacións entre os Estados.

DANO DIRECTO, INDIRECTO, HISTÓRICO

Manifestou que 120 membros, amais de 15 observadores que integran o MNOAL manteñen oposición histórica as medidas injustificadas da Casa Branca, definida coma ferramenta de presión política, económica e financeira, especialmente contra países en vías de desenvolvemento.
O diplomático azerí aludiu ao dano directo e indirecto provocado ao pobo cubano en sectores como a saúde pública, a agricultura, o comercio, o turismo, o investimento e os bancos. Por tales razóns dixo: «A Illa non pode acceder a mercados, á axuda internacional de institucións financeiras, nin a transferencias tecnolóxicas, o cal crea atrancos maiores para o desenvolvemento social e económico do país».

Requeriu o fin do bloqueo en nome do MNOAL, tendo en conta seu carácter extraterritorial e inxusto. “Pedimos respecto –dixo- aos principios de non intervención nos asuntos internos doutros países»  .

Os países articulados no Grupo Africano tamén condenaron o bloqueo e designaron a Moncef Baati, representante permanente de Túnez ante a ONU, para reafirmar a oposición común á política hostil contra a illa caribeña. Afirmou que os integrantes da agrupación manteñen ferreñamente a súa posición de solidariedade con Cuba, e a súa reclamación contra a medida unilateral de EUA.

Con el coincidiu Sofiane Mimouni, embaixador da República Arxeliana Democrática, membro da Unión Africana, quen fixo referencia ás 27 veces que discutiron o tema no organismo multilateral. «Este debate mobiliza cada ano a toda a comunidade internacional e é un chamado colectivo a respectar a decisión dos principios reitores desta organización, así como os seus ideais. Estes principios e ideais son o cerne da ONU». Acrecentou que reclama o fin do bloqueo porque as sancións inxustificadas están a impedir ao pobo de Cuba adquirir os recursos precisos para a vida, frear o desenvolvemento económico e frustrar os esforzos para desenvolverse.

«Argelia expresa solidariedade ao Goberno e o pobo irmán de Cuba», puntualizou o diplomático ao propor maior dinamismo nas relacións entre Cuba e Estados Unidos, a medio dun diálogo constructivo, co respecto íntegro aos principios do Dereito Internacional.

Semellante criterio expresou o representante de Uganda, Richard Nduhuura, a nome da Organización de Cooperación Islámica. No seu discurso dixo coñecer a negación de varios bancos a ofrecer servizos á nación caribeña o que derrama o normal funcionamento das institucións cubanas. “A situación en xeral segue sendo de gran preocupación:debemos traballar polo benestar dos nosos e contra o  bloqueo que é o principal obstáculo contra a materialización dos obxectivos de desenvolvemento sostibel”.

CUBA NON É AMEAZA

As nacións integradas á Comunidade do Caribe, CARICOM, escolleron Keisha McGuire, diplomática acreditada por Granada, para representalos. Keisha falou da importancia da asistencia cubana a varios estados do Caribe insular, con comandos sanitarios e coidados médicos en zonas afectadas por desastres naturais.«Cuba ten o maior número de médicos cubanos per cápita do mundo; fornece becas arreo para educación profesional e terciaria da mocidade, o que contribúe significativamente ao desenvolvemento dos servizos humanos na rexión». A embaixxadora engadiu que o Caricom ve a Cuba como unha parte integral da poboación caribeña, que non ameaza a ninguén polo que deciden contribuir ao dereito soberano de Cuba elixir o seu propio camiño do xeito que considere máis beneficiosa para o seu desenvolvemento social e económico.

A Asociación de Nacións do Sueste Asiático (ASEAN), dispuxo que Singapur appoiase a Resolución cubana e recordou que vota de forma unánime a prol do texto dende hai doce anos. “ASEAN quer contribuir ao fin do bloqueo para mellorar a calidade e nivel de vida do pobo cubano, e o desenvolvemento económico e social, a mais de adiantar a consecución dunha axenda para o desenvolvemento sostenible que sexa incluinte».

Na súa conta de Twitter, o Chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez, destacou a aclamación recibida po Cuba na Asemblea Xeral da ONU. «Os pobos e gobernos do planeta acompáñannos nesa loita contra o bloqueo, e Cuba agradéceo»l.

Alexander Pankin, representante da Federación Rusa na ONU explicou por que o bloqueo representa unha violación da legalidad internacional.
«Rusia mantén a súa solidariedade co pobo de Cuba, e pide que se levante inmediatamente o bloqueo contrario a carta de Nacións Unidas e entrometimento ilegal nos asuntos internos dun Estado».

Bashar Jafari, representante da República Árabe Siria cualifou bloqueo de infracción ao dereito ao desenvolvemento. “Hoxe atopámonos a 11 anos da meta de 2030 e ninguén pode argumentar que o bloqueo non impida o desenvolvemento social».

Nagaraj Naidu, representante da India dixo que o cerco dos EUA a Cuba era contrario a opinión mundial, decruaba as propias bases da ONU e aseverou que seu cometido era mostrar na ONU solidariedade co chamado cubano contra o Bloqueo».

Valentin Rybakov, embaixador permanente de Belarús na ONU asegurou que calquera medida coercitiva e unilateral é unha violación en bruto do Dereito Internacional e contraria aos alicerces das relacións entre os Estados.

Para Nguyen Phuong Nga, representante de Vietnam é urxente reclamar do goberno dos EUA  un cambio completo na súa actual política para Cuba, en prol das relacións entre ambos países e o benestar e a seguridade mundiais.

A HELMS-BURTON DANA A CUBA E A TERCEIROS

O representante permanente de México na ONU, Juan Ramón da Fonte, sinalou que o interese de EUA de activar a aplicación do Título III da Lei Helms-Burton non só dana á Illa senón a terceiros países.

Riyad H. Mansour, embaixador de Palestina nas Nacións Ounidas, en nome do Grupo dos 77 salientou a urxencia de rematar co Bloqueo  non só por Cuba senón polo beneficio que reportaría na comunidade internacional.

Yashar Aliyev, representante permanente de Azerbaián dixo que o cerco de Cuba mantíñase ppara alén do meio século, coma paradigma adverso das medidas que buscaban danar ao pobo e violar seus dereitos humanos, incluído o do desenvolvemento.

O representante de Kenia, Macharia Kamau, definiu as  sancións impostas de xeito unilateral polo Goberno dos EUA contra Cuba, comoo abuso palmario dos Dereitos Humanos.

Keisha McGuire, embaixadora de Granada nas Nacións Unidas recordou que Cuba foi un dos primeiros países en axudar á poboación das Bahamas inmediatamente despois do furacán Dorian, que devastó en setembro último partes dese país con estrago estarrecedor que cobróu moitas vidas.

Para Jerry Matjila, representante de Sudáfrica o sacrifio de Cuba foi enorme na liberación de Sudáfrica, “con vidas de moitos irmáns cubanos para termos unha Sudáfrica libre e democrática».

Inga Rhonda King, representante de San Vicente e as Granadinas dixo que Cuba era un alto exemplo de solidariedade para Caribe onde moitos estados se valeran da súa axuda polo que a gratitude da rexión habia ser eterna.

A revolta de América contra a desigualdade non se produce en Cuba mália 60 anos de bloqueo

Iroel Sánchez – Almayadeen

Unha amiga brasileira, de visita en Cuba como xornalista, comentábame seu asombro de todos os cubanos saber quen é Bolsonaro, quen é Dilma e quen é Lula, o que non lle pasa  noutros países latinoamericanos.  A atención excepcional coa que seguimos en Cuba a actualidade internacional, é algo moi especial no que non reparamos os que vivimos na Illa. Arestora, as revoltas sociais de Haití, Chile, Panamá e Ecuador, o conflito de poderes en Perú, a represión e os asasinatos de líderes sociais en Honduras e Colombia, a ingobernabilidad herdada que obriga ao goberno de México a liberar un narcotraficante ou a  prisión inxusta do líder da esquerda brasileira para impedir a súa segura vitoria electoral, os comicios en Bolivia e Arxentina, as agresións constantes de Estados Unidos contra Venezuela ou o Ucraniagate no que anda sumido Donald Trump, poden ser  tema de conversa en calquera lugar de Cuba, dende un cruzamento no que xogan dominó deica un aula universitaria.

“O pobo de Cuba xamais será vencido”. (cartaz de Vladimir Volikov, 1960)

Polo demáis, nesas conversas non están ausentes os atrancos graves que atravesa a economía cubana contra a que cada semana danse a coñecer novas sancións do goberno dos EUA, nin as deficiencias nos servizos cos que ten que lidar a cidadanía, nos que o impacto do bloqueo económico pódese mesturar coa desidia burocrática e provocar molestias e disgustos. Mais a mestura de guerra económica con insuficiencias internas non provoca revoltas e cando o sistema (socialismo de Partido único) pasa a proba das urnas, como no recente Referendo Constitucional, e os resultados son esmagadoramente favorabeis á dirección revolucionaria.  Todo isto mália que Washington terme dende hai seis décadas en derrubar o sistema de Cuba con propaganda arreo, pagada con fartos millóns de dólares e un ben finanzado comando de intervención, chamado Cuba Internet Task Force.

Para a maquinaria mediática dominante, Cuba non se rebela a causa da intensa represión do rexime,  a que suman o relaxo cubano. Porén, na na historia de Cuba –dende a Reconcentración de Weyler á ditadura de Batista, pasando pola de Machado, ningún rexime baseado na represión deu permanecido á fronte do país por moito tempo, mália promoveren un relaxo no que a corrupción era a dinámica de funcionamento da política e a economía a todos os níveis.

Pola contra, se a consulta electoral fose agora, no medio dun bloqueo recrudecido, a porcentaxe de aprobación superaría con fartura os resultados de febreiro, e iso sería froito, sen dúbida, da combinación de tres factores coxunturais e dous estruturais.

Nos coxunturais, compre contar o recrudecimiento da agresividade do goberno dos EUA, que fortalece o sentimento patriótico e a unidade nacional. Tamén a eficacia política do goberno cubano, explicando a xeito de que maneira o aumento da agresión afecta ás provisións do mercado e como a estratexia para enfrontar as sancións estadounidenses busca minorar o impacto na vida cotiá do pobo. Acontece isto no marco dunha situación internacional na que é patente o fracaso das políticas neoliberais e o descrédito das fórmulas da democracia burguesa.

Son factores estruturais, a cultura política difundida en Cuba durante 60 anos pola pedagoxía de Fidel Castro, a propósito da natureza do imperialismo e do proxecto de xustiza social e soberanía nacional da Revolución.

A fluida relación da dirección revolucionaria co pobo, renovada polo goberno de Miguel Díaz Canel, que reforzou a percepción de o goberno escoitar ao pobo e traballar para el.

Ningún país latinoamericano dos que agora mesmo combaten con disparos e gases a protesta social e/ou violan abiertamente as regras da democracia formal que eles mesmos invocan, foi obxecto de guerra económica nin dunha oposición artificial pagada con finanzamento multimillonario e moito menos do linchamento mediático e académico global permanente cara aos seus líderes e o seu proxecto político e social.
Mália todo iso, compre recoñecer que hai xente insatisfeita en Cuba e a maioría deses insatisfeitos van para Miami. O desenvolvemento de capacidades educativas e o estado de saúde propiciados polo socialismo cubano son competitivos fronte a acumulación de case seis décadas de privilexios migratorios e unha certa vantaxe fronte o resto das comunidades non nativas de Florida, mais non os converten en máis libres. Máis dun millón de cubanos nos EUA sofren graves limitacións para relacionarse coas súas familias en Cuba por causa das medidas de Trump, mália non haber novas de que iso provoque protestas no exílio. Tampouco lemos en ningures que esa ausencia pública de desacordo poida deberse á corrupción e as práticas represivas nada democráticas que a clase dominante na Illa até 1959 semella ter exportado a Miami depois de tantos anos nesa cidade, sen por iso desprezar o exemplo edificante que lle está a dar un sistema no que hoxe compiten en corrupcións Donald Trump e Joe Biden.



“Eles têm a força das armas; nós somos a força dos povos” (Díaz-Canel no cume do MNOAL)

TSA -Agencias

A intervenção do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel na asemblea do Movimento dos Paises Não Alinhados (MNOAL) celebrado em Bakú, reparou em temas medulares do movimento, recomendou actuar de forma unida em defesa dos povos, condenou ou bloqueio de Estados Unidos contra seu país e mostrou solidariedade com Venezuela, Bolívia e Nicarágua. No seu discurso, ou Presidente apoiou os esforços para tentar uma saída pacífica à confrontación em Síria e uma solução ao diferendo em torno do programa nuclear dá República Popular Democrática de Coréia e ou fim dá ocupação de Palestina. A declaração final de quase mil páginas, condena o cerco económico contra a ilha e se compromete a reconhecer os resultados que anuncie o poder eleitoral de Bolívia, onde a direita tenta um golpe de Estado. Aseguir reproduzimos a intervenção completa de Miguel Díaz Canel no cume celebrado na capital do Azerbaijão .

Os Não-Alinhados representam mais de dois terços das Nações Unidas e cerca de 55% da população mundial.

“Chegamos à bela e próspera Baku, depois de viajar mais de 11.300 quilômetros, rompendo o cerco do bloqueio — que nos últimos meses se intensificou brutalmente — porque os sérios desafios atuais exigem que retoquemos o papel que, como o movimento que agrupa a maioria do planeta, corresponde aos Não-alinhados na arena internacional.

Mais uma vez, tal como em 1961, é crucial que trabalhemos juntos, ligados aos princípios fundadores de Bandung, para a paz e o desenvolvimento dos povos. É nossa responsabilidade como políticos e ninguém fará isso por nós.

Perante o desprezo aberto dos Estados Unidos e de outros governos pelas justas reivindicações das nações do Sul; diante da obscena politização dos direitos humanos e do flagrante desrespeito ao direito dos povos de decidir seu sistema político, socioeconômico e cultural; na ausência de compromisso com o multilateralismo e os tratados internacionais, outros podem ser indiferentes. Nós não. Porque todas essas ações vão contra nossos povos.

As nações que, com seu sangue, suor e sofrimento, pagaram o preço mais alto do progresso e que emergiram da exploração e pilhagem coloniais, com séculos de atraso econômico e social, têm todo o direito de perguntar:

Por que as despesas militares continuam aumentando irracionalmente, enquanto os investimentos em desenvolvimento e cooperação são reduzidos?

Por que subestimar a gravidade das mudanças climáticas que colocam em risco a existência dos pequenos Estados insulares e a sobrevivência da própria humanidade?

Por que as armas não são silenciadas e as nações mais atrasadas e empobrecidas são compensadas pelos saques, com um tratamento justo, especial e diferenciado?

Cuba, primeiro pais da América Latina no MNOAL

Cuba tem a honra de ser o primeiro país da América Latina no MNOAL. Esse concerto de nações livres que opera sob regras democráticas e sem veto é o que defendemos e sonhamos ver um dia na ONU. Na força desses valores nos apoiamos, para reiterarmos: Nossa solidariedade com todos os povos que lutam porque seja reconhecido seu direito à autodeterminação; nossa rejeição às decisões unilaterais dos Estados Unidos em apoio a Israel e contra o Irã, que aumentam a instabilidade na região volátil do Oriente Médio; nosso chamado para encerrar a guerra contra o povo sírio e encontrar uma solução abrangente, justa e duradoura para o conflito israelense-palestino.

Saudamos o processo de aproximação e diálogo inter-coreano e condenamos as sanções unilaterais contra a RPDC.

Nossa forte rejeição das campanhas norte-americanas contra as forças políticas, líderes de esquerda e governos progressistas na América Latina e no Caribe; nossa firme solidariedade com o presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro, a Revolução Bolivariana e Chavista e a união cívico-militar de seu povo, que conseguiu defender a soberania do país contra as maiores ameaças e perigos.

Também reafirmamos nosso apoio e solidariedade com o governo nicaraguense diante das tentativas dos EUA de desestabilizar essa nação irmã.

Nossos parabéns ao povo do Estado Plurinacional da Bolívia por sua participação ativa no processo eleitoral e ao presidente Evo Morales Ayma por sua reeleição.

Denunciamos a tentativa de golpe de Estado e a campanha de deturpação, desestabilização e violência desencadeada por setores da oposição e instigada pelos Estados Unidos contra a paz e a segurança cidadã na Bolívia. A Bolívia dos povos nativos e difamados por séculos, que foi colocada por seu extraordinário líder entre os países com mais reservas e que mais crescem em nossa região. Em particular, devido aos sérios riscos que isso representa para nossa região e para o mundo, rejeitamos a decisão de ativar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), destinado a apoiar militarmente o desejo norte-americano de reviver a Doutrina Monroe no empenho alucinado de fazer a «Grande América», ao custo de recuperar as nações livres do continente como seu quintal.

Durante a Guerra Fria, eles chamaram-nos de Terceiro Mundo. Supunha-se que, ao não pertencermos a um bloco ou a outro, estaríamos livres das guerras. Porém nossos povos sabem, porque nos coube colocar os mortos e as perdas, que, se as armas algum dia estiveram frias, foi apenas entre os poderosos.

Praticamente não existe nação na África, Ásia e América Latina que não tenha sofrido o doloroso custo das guerras, de libertação ou de intervenção, de baixa, média ou alta intensidade, durante a segunda metade do século XX e até hoje.

Mesmo onde não houve morte e destruição, houve altos custos, quando os preços do que comprávamos dispararam e caiu o preço do que vendíamos; quando foi implantada a ditadura do dólar e das instituições financeiras abusivas nascidas dos chamados Acordos de Bretton Woods, esse grande engano que levou o mundo a girar em torno dos altos e baixos da política imperial.

Os poderosos, a partir de seus confortáveis ​​espaços blindados, transformaram nossos países em laboratórios e mercado de suas armas, deixando-nos como resultado milhões de mortos, deslocados, refugiados, famintos, violentos.

Ditaram regras universais de conduta que eles constantemente violam e elaboraram listas para nos excluir ou nos punir se não nos submetermos às leis cegas do mercado e à hegemonia imperial.

Terceira Guerra Mundial é a actual ofenssiva imperial

A Terceira Guerra Mundial não é a próxima Guerra. É a guerra sem data de início ou cálculo final, que durante anos vem sangrando nações nobres e pacíficas, com as armas dos exércitos imperiais, soldados mercenários e terroristas disfarçados de libertadores, em nome da luta contra o terrorismo, a defesa da democracia, a liberdade ou os direitos humanos. Mentira!

Nunca se mentiu tanto, com mais descuido e custo mais terrível para a grande maioria da Humanidade, em função dos interesses de uma minoria que levou seus luxos a excessos alucinantes.

No século XXI, ameaças e agressões de graus variados são lançadas contra todos os governos soberanos que se recusam a servir o poder hegemônico para instalar bases militares, entregar seus recursos ou ceder ao seu mandato.

Eis a heróica Venezuela, que durante décadas teve suas reservas quase infinitas de energia pilhadas, até a Revolução Bolivariana as resgatar para colocá-las a serviço de seu povo e da solidariedade e cooperação regional e internacional.

Contra a Venezuela que resiste, são lançadas as acusações mais perversas, aplicadas técnicas de guerra psicológica e promovida a desestabilização, em mil tentativas fracassadas de desencadear um conflito interno.

No auge da infâmia e do cinismo, o império acusa o governo bolivariano de ser um instrumento de Cuba.

Como não praticam ou conhecem a solidariedade, os cegos do mal e da impotência, acusam nossos profissionais de saúde de militares disfarçados e perseguem e bloqueiam o comércio entre nossas nações, afetando a vitalidade de nossas economias.

Eles quebram acordos, desencadeiam guerras comerciais, eletrônicas e da mídia. Fecham portas, levantam muros, confiscam ativos, roubam fundos, proíbem trocas. Ignoram e violam as leis internacionais. Prometem tornar a América grande, sua América que não é nossa, ao custo de reduzir o espaço restante para o resto do planeta.

«Vao pelo céu engolindo mundos», dizia o nosso José Martí.

É hora de responder-lhes. Os Não-Alinhados representam mais de dois terços das Nações Unidas e cerca de 55% da população mundial. Agrupamos nacionalidades, culturas, identidades, forças humanas e políticas de todos os signos, amantes da paz e dispostas a alcançar seu próprio desenvolvimento, mas sem exclusões ou hegemonismos.

Uma revisão de nossa história comum, das palavras e acordos de nossos líderes ao longo de seis décadas, ensina, em primeiro lugar, a vocação libertária e antiimperialista do movimento e a força extraordinária que pode emergir de nossa solidariedade e cooperação.

Juntos, derrotamos o colonialismo e o apartheid, enfrentamos agressões e interferências, fomes e desastres naturais, epidemias e cercos econômicos e políticos.

Agradecemos ao Movimento Não-Alinhado por sua posição histórica de condenação e rejeição do bloqueio de mais de cinco décadas contra nosso país e a Lei Helms-Burton, de marcante caráter extraterritorial, que expressa o grau exacerbado de agressividade dos Estados Unidos contra a resistência de nosso povo.

Essa política criminal é o principal obstáculo ao nosso desenvolvimento, mas também é uma expressão do desrespeito da grande potência pelos direitos humanos dos cubanos, pelo Direito Internacional e pelo livre comércio.

Contra toda lógica humana de coexistência em relação às diferenças, o bloqueio se intensifica por dia. Apenas uma semana se passa sem anunciar novas medidas de estrangulamento para nossa economia.

Tal como os piratas de outros tempos, o atual governo dos Estados Unidos estendeu sua política de redes de cerco até o mar, perseguindo e punindo empresas, navios e companhias de navegação envolvidas no transporte de combustível para Cuba.

Hoje queremos reiterar a vocês que não cederemos diante das ameaças e pressões e que não desistiremos do esforço de avançar em nosso projeto para construir uma nação próspera e sustentável. Mais próspera e mais sustentável, enquanto mais livre, independente, socialista e soberana.

Reconhecer trabalho de Venezuela no MNOAL

Em nome de Cuba, quero reconhecer o trabalho da Presidência da Venezuela à frente do Movimento, em meio às circunstâncias mais complexas e severas do cerco político imperial.

Ao mesmo tempo, comprometemos todo o nosso apoio ao desempenho da República do Azerbaijão no triênio 2019-2021.

Se vocês me permitirem, pegarei uma pequena folha da longa história dos Não-Alinhados para retornar às suas essências. Faz parte de um discurso de Fidel Castro, líder histórico da Revolução Cubana e um dos mais corajosos e ousados ​​defensores do desalinhamento. Fidel disse, na 6ª Cúpula de Havana, em 1979, que (e cito):

«A força de nossos países unidos é muito poderosa. Os reunidos aqui representam a grande maioria dos povos do mundo! Vamos todos nos unir, vamos concertar as crescentes forças de nosso vigoroso Movimento nas Nações Unidas e em todos os foros internacionais para exigir justiça. econômico para nossos povos, para que o domínio sobre nossos recursos e o roubo de nosso suor cessem! Vamos nos unir para exigir nosso direito ao desenvolvimento, nosso direito à vida, nosso direito ao futuro!»

Não esperemos que as bombas caiam na Venezuela ou em Cuba, como já caem na Síria e antes no Iraque e na Líbia, para apoiar sua reconstrução. Vamos impedir a agressão. Vamos parar a tempo a ambição descontrolada e a arrogância do império.

Cuba se orgulha de ter sido palco da Proclamação da América Latina como Zona de Paz e de ter acolhido em nossa Pátria as negociações para o fim do longo conflito na Colômbia, hoje também em risco pelas constantes tentativas de desestabilizar a região que os Estados Unidos promovem lá, onde mantêm 9 das 76 bases militares que possui em toda a América Latina.

Gostaria também de lembrar a disposição permanente de nosso país para dialogar sem condicionamento e com base no respeito recíproco. Três anos atrás, durante a cúpula anterior, apenas 21 meses se passaram desde o restabelecimento das relações entre os EUA e Cuba.

Lá na Ilha Margarita, território da Venezuela, nosso general-de-exército ratificou:

«… a vontade de manter relações de convivência civilizada com os Estados Unidos», mas ao mesmo tempo alertou que: «Cuba não renunciará a um só de seus princípios, nem fará concessões inerentes à sua soberania e independência. Não irá ceder na defesa de seus ideais revolucionários e antiimperialistas, nem no apoio à autodeterminação dos povos».

Confirmamos a decisão de continuar cooperando com os povos que a exigem, sob o princípio de compartilhar o que temos, não dando o que resta, porque não temos mais que valor.

Viemos para ratificar no Mnoal que as novas gerações de líderes de Cuba darão continuidade aos princípios que há quase 60 anos sustentamos no concerto das nações que o integram e que temos o desafio e a força para corrigir os desequilíbrios que colocam hoje em risco a paz mundial.

Digo, tal como José Martí, referindo-se a Nossa América, que os países que integram o Movimento dos Não-Alinhados: «Não podemos mais ser aquele povo de folhas, que vivem no ar, com o vidro carregado de flores, estalando ou zunindo, segundo a atitude do apricho da luz, ou o açoitem e ceifem as tempestades; as árvores precisam se alinhar, para que o gigante das sete léguas não passe! Está na hora da recontagem e da marcha unida».

Eles têm a força das armas. Nós somos a força dos povos!

Há um mundo historicamente atrasado aguardando nossos acordos e ações!

Proponho nos alinhar, mas apenas em torno dos nossos consensos: Não pela guerra, sim pela paz; não pelos hegemonismos, sim pelo multilateralismo; não pela interferência, sim pela soberania; não pela exclusão, mas pela inclusão; não pelo ódio, mas pela solidariedade; não pelo controle do mundo entre os poderosos, mas pela verdadeira liberdade e democratização das Nações Unidas e das relações internacionais.

Somente a unidade pode nos salvar. Somos mais: vamos fazer mais.

O silencio como mentira contra Venezuela

Farruco Sesto (ex ministro de Cultura e Urbanismo da Republica Bolivariana de Venezuela)

Para moitos, Venezuela é unha fermosa palabra, das que en determinados momentos da historia, e enmarcando conceptos tales como resistencia e dignidade,  convértense en referencia das loitas humanas pola emancipación definitiva.

Para outros, como é o caso dun celebrado opositor dereitista de cuxo nome non me quero lembrar para non lixar esta nota, Venezuela é “unha enfermidade contaxiosa”, que debe ser erradicada.

A norma é non darlle nin un respiro a verdade sobre o goberno Venezuela na prensa do capital.

Lamentablemente, aínda que talvez non podía ser doutra maneira na lóxica das cousas, o gran conxunto da industria mediática galega e internacional, ao servizo dos grandes poderes fácticos, tomou partido contra Venezuela e con iso, contra  a verdade.

Porque cando a noticia non lles cadra aos medios de información nos seus esquemas e, non poden retorcela ou  malinterpretala tan facilmente, como fan case a diario, entón simplemente miran cara a outro lado.

Tal é o caso da recente elección de Venezuela como membro do Consello de Dereitos Humanos da ONU, ocorrida o pasado 17 de outubro, co apoio de 105 países do mundo, a pesar de todas as presións imperiais, chantaxes e ameazas como só EEUU sabe facelo, para que non tivese lugar ese recoñecemento.

O Ministro do Poder Popular das Relacións Exteriores, Jorge  Arreaza, en declaracións ofrecidas o mesmo día da votación, afirmou que o feito era “ unha nova vitoria da diplomacia  bolivariana de paz (…) que haberá que  mesurar, que medir no transcurso dos próximos días pero que hoxe nos atrevemos a cualificar de histórica”.  Segundo recolle  Telesur, o xefe da diplomacia venezolana asegurou que o Goberno de Nicolás Maduro enfrontouse a unha “campaña feroz, brutal, de EE. UU. e os seus países satélites” xunto a algunhas ONG de dereitos humanos “para impedir que Venezuela fose elixida”.

A noticia quéimalle nas mans aos diarios galegos empresariais e por iso deciden prescindir dela. Pois onde queda o seu reiterado discurso sobre esa maioritaria “comunidade Internacional” que se opón ao “réxime” de Maduro”?

E, por certo: como queda agora o manipulador informe  Bachelet?

Hai veces en que o silencio, forma parte da mentira.

Publicado en Correo del Orinoco.