Todalas entradas de Terrasenamos

Historia dun fuxido con sede de vinganza

Rosa Miriam Elizalde – La Jornada

Esteban Ventura Novo era dono da finca El Rosario, sur da Habana, un muro de manposta encerrando unha devesa con casa grande arrodeada de outeiros con herba lanzal peiteados polo alisio.



Esteban Ventura Novo, o asasino do traxe branco, nunha foto publicada en Paris Match en 1957

A foto en branco e negro que retrata ese paradiso instantáneo ten máis de sesenta anos. Ao entraren os rebeldes (1 de xaneiro de 1959)o propietario voaba cara a República Dominicana no mesmo avión no que fuxia cos seus homes de confianza o dictador Fulgencio Batista. A revista Bohemia contaba o que foron atopar os barbudos dentro da mansión campestre do torturador de máis sona de Cuba: unha cámara de música con mobles taraceados en ouro, dormitorios climatizados, piscinas, bar, unha sá de xogo, merendeiros e rendeiras para nenos nos xardíns, unha caixa forte con contas de banco (a máis modesta de un millón de dólares) un canón antiaéreo de calibre 30, fusís M-1, 171 granadas, 6 ametralladoras co parque disposto e varias pistolas. Non había biblioteca. O único impreso en toda a mansión era unha guía telefónica.

Ventura Novo era coñecido popularmente como o asasino de branco, sempre de chaqueta e pantalón de dril 100 ou de liño albal inglés. Fachendeaba de aristócrata, malia ter nado na miseria e ser o seu oficio coñecido o de cortador de cana antes de apuntarse de voluntario no Exército. Chegou a coronel da policía e, elegantemente vestido, sentenciaba tortura e morte co mesmo desapego burocrático de quen dicta unha ficha, a distancia para non manchar a roupa.

No depósito de cadáveres da Habana, un bloque de dous andares no arrabaldo, entraran máis de 600 corpos de homes e mulleres mortos por electrocución, golpes, forca ou bala, entre marzo de 1952 e decembro de 1958, anos de gloria da carreira policial do asasino de branco. A cifra equivalía ao cinco por cento dos asasinados neses anos polas forzas represivas da ditadura de Fulgencio Batista, segundo o cálculo do director da instalación, publicado tamén por Bohemia en febreiro de 1959. Moitos máis aparecerían despois en enterramentos clandestinos; outros nunca serían atopados. A meirande parte eran vítimas inocentes ás que lle tocaba pagar, sen motivo ningún, pola explosión dunha bomba, o atentado contra un uniformado, ou calqueroutra manifestación contra a ditadura.

Ventura Novo morreu de vello en Miami, con 87, no 2001. Nos seus anos de desterro, voluntariou en varios grupos terroristas. Por causa da súa nomeada carreira, recibia protección do goberno dos EUA, que ignorou todas as demandas de extradición de criminais ao servizo de Batista, en virtude dun acordo existente dende 1906. Novo vivia coa esperanza de recibir compensación polas súas propiedades en Cuba e agardou até o último día da súa vida que se producise a intervención imperial na illa, e a esperada licenza para matar esquerdistas. Un dos seus admiradores, Esteban Fernández, lendo a esquela de Novo nun programa de radio na Florida, pediu a invasión de Cuba cos métodos do celebrado asasino: “E se non hai forcas abondas, que tiren con eles ao mar porque ao pais cómprelle unha boa limpeza xeral!”.

A Lei Helms Burton veu dar soporte legal e atribucións ao Bloqueo, dende 3 de marzo 1996, mália a reserva aplicada ao máis rechamante dos seus artigos xusto até 2 de maio pasado. Dende esta data permítese aos antigos propietarios na Illa e aos seus herdeiros con nacionalidade estadounidense, entablar demandas en tribunais de Estados Unidos. Tamén aos herdeiros de Esteban Ventura Novo, que non ven chegada a hora de regresar a El Rosario e demandar en virtude do Título III da Helms Burton, indemnización de terceiros países cuxos negocios en Cuba interesaran propiedades nacionalizadas e confiscadas polo goberno r ao abeiro da Constitución cubana de 1940.

William Clinton, George W. Bush, Barack Obama e mesmo Donald Trump conxelaran esta disposición sen precedentes na xurisprudencia internacional. A partir do pasado 2 de maio, o Emperador Laranxa franqueou as demandas en tribunais, sen distinguir entre ladróns, asasinos en fuga, ou empresarios de seu que fixeran capital na Illa e á súa hora negáranse a cobrar compensacións do goberno cubano -como si fixeron suizos, franceses e españois?- porque levedaba ainda a invasión de Praia Girón (1961) ideada para restablecer a nosa colonia de Cuba, como dixera o historiador da Universidade de Columbia Leland Jenks.

A finca El Rosario, a 40 quilómetros da Habana, é hoxe un Fogar de Anciáns. As avóas e avós que viven alí, escoitan o nome de Esteban Ventura Novo cun debeño de noxo, mais nin se aquelan cando o vento do Norte morde outra vez con cairos longos. Como se for a ira, a vinganza, a tolemia e a traizón moral en Hamlet, só que nunha dramaturxia repetida sen éxito dende hai máis de medio século.

A opinión pública, a prol dos defensores da Embaixada de Venezuela en Washington

Carme Glenn Ribeira – Albany

Na quarta feria, cando Jesse Jackson, arquetipo da loita polos dereitos civis nos EUA, entregou verbas de ánimo e víveres aos catro activistas norteamericanos que defendían a Embaixada Venezuelana en Washington, un relente debeu pasarlle polas costas a Mike Pompeo, ministro de Estado do goberno Trump, porque a cada que os valedores do dereito internacional contra a soberbia e o abuso de Trump precisaren de novo auga ou alimentos, unha figura pública poderia levárllelos e sería imposibel que axentes do servizo secreto ou do golpe organizado contra o goberno lexítimo de Venezuela de parte da Casa Branca, puidesen evitar que a foto cruzase o mundo tal e como pasou todas as veces que a febre rompeu a compostura dos arrabeados sitiadores do espazo da Embaixada defendida por norteamericanos amigos leais de Venezuela.

Axentes do FBI ocupan a Embaixada Venezuelana en Washington contra toda norma internacional

O arrepio porque a foto con cornos do ministro imperial do golpe falido contra Venezuela puidese correr o mundo, decidiu aos alabardeiros de Trump lanzar a ocupación da Embaixada, mesmo que violasen os artículos 32 e 45 da Convención de Viena, que garante que o Estado receptor debe defender a sede diplomática e, no caso de una ruptura de relacións,  a custodia da embaixada seria responsabilidade dun terceiro Estado aceptado por ambasdúas  partes.

O colectivo que defendeu a embaixada xerou unha onda de simpatía e apareceu como vitima palmaria do abuso do goberno dos EUA e da grea dereitista que debece polo golpe contra o goberno elexido por maoria de votos en Venezuela. O que logrou Pompeo co seu desmande, foi romper o cerco imposto a verdade sobre o que está a acontecer en Venezuela. A fenda que deixa aberta a orde de botar violentamente da Embaixada de Venezuela ao feixe de defensores norteamericanos, mal pode ser pechada. Moitos a comparan ao andacio que padeceron tres presidencias estadounidenses en Vietnam, cando as imaxes do xenocidio imperial brillaron nos media mentres a Casa Branca e o Pentágono miraban de fite o plano de operacións e desprezaban a opinión pública democrática, convencidos de a superioridade armada ser a fin de contas quen escrebe o nome do gañador, un erro capital que ten contraste e sentenza nos anais da historia, mesmo que adoite ser desprezado polas grandes acumulacións de armas e diñeiro.

Trump prepara cinco mil mercenarios para aplicar a Doutrina Monroe

Granma – Terra Sen Amos

A licenza para facer o que se queira en política internacional, outorgada aos EUA por Donald Trump e os seus asesores, dalle ao xefe de a Casa Branca licenza para anunciar que esta semana «habera moitas novidades en Venezuela, algunhas delas dramáticas»; outravolta dixo que «todas as cartas están encol da mesa», un xeito de ameazar que baralla o uso da forza militar. Segundo Trump, Maduro «está a perder o control do país» polo que EUA proxecta un golpe maior ca o orquestado trala liberación de Leopoldo López que durara un santiamén. A axencia Reuters, pola súa banda, contou que a empresa Academi (anteriormente coñecida baixo os nomes de Xe Services LLC, Blackwater USA e Blackwater Worldwide) estaria formando por encarga da Casa Branca un exército mercenario de 5.000 soldados, co fin armar unha guerra civil en Venezuela. Ameaza que foi denunciada polo Goberno bolivariano, como unha proba máis de quen paga e organiza as protestas da oposición.

Enviar ficheiros

O plano dos mercenarios xorde a raíz dos calamitosos intentos de subornar militares da Forza Armada Nacional Bolivariana, un proceso que culminou co lanzamento da falsa nova de o xefe do exército Vladimir Padrino, recibir ordes da Casa Branca. O infundio foi desmentido polo propio oficial en xefe mediante diversos comunicados. «Eles non teñen xente, e no chavismo non van conseguir o que están buscando. Trátase dunha gran campaña mediática internacional para que a xente crea que o pobo está dividido», dixo o xefe da Asemblea Nacional Constituyente Diosdado Cabello, sobre as mentiras lanzadas polo enviado especial dos EUA Elliott Abrams sobre unha presunta conxura entre Padrino e o imperio.

A ARMA NON CONVENCIONAL

Espalladas polo goberno de Washington as trolas inzaran e o ministro de Estado Mike Pompeo, querendo negar seu fracaso do 30 de abril, anunciou que «Maduro permaneceu en Caracas, porque Moscú obrigouno a facelo», unha falsidade que reforzaba outra trola denanterior, tamén lanzada por eles: a da trama rusa en Venezuela.

«Se recordamos todas as afirmacións dos representantes oficiais da administración estadounidense sobre Venezuela, non remtarán as preguntas sobre elas, e a resposta a todas esas preguntas será: non é certo», asegurou Serguéi Lavrov, chanceler ruso.

A tolemia da administración Trump ameaza ao hemisferio e aos propios Estados Unidos, no momento en que o imperio xa está creando un grupo de presión nas Nacións Unidas para impoñer unha axenda de intervención e guerra contra Venezuela, á cal Rusia contrapon outro grupo de países, co fin de que non se viole o xa fráxil equilibrio político internacional. Os planos no seo da ONU servirian de coartada ao exército mercenario que están a formar.

Lavrov explicou que o grupo pode contar cun apoio considerabel na organización, baseado nun obxectivo claro: defender normas e principios fundamentais da Dereito Internacional, fixados na Carta da ONU. O chanceler ruso citou unha conversa de alto nivel con Mike Pompeo, onde lle advertiu sobre a improcedencia da Doutrina Monroe, noo entanto Rusia non interfire nos asuntos internos dos Estados. «Creo que esa intención anunciada de volver a unha doutrina que ten 200 anos reflicte a falta de respecto cara ao pobo venezolano e os países de América Latina», apuntou Lavrov.

A Doutrina Monroe, de 1823, é famosa pola sentenza do presidente James Monroe: «América para os americanos», ou a licenza arrogada por EUA para actuar de xeito impune e exclusivo na área latinoamericana.




A Francisco Villamil condena a vesania de Trump contra Venezuela

A porfia do goberno de Trump por desinformar e mentir contra a República Bolivariana e Chavista, ven de bater defronte coa verdade núa: Venezuela armada defende seu lexítimo goberno e e afirma o dereito a soberania; os axentes do imperialismo reclaman asilo non por salvaren a vida senón por agachar seu fracaso. 

O pobo aclama ao exército que defendeu a base da Carlota contra os golpistas. A mesma hora, a Casa Branca celebraba enganadamente a toma da base,

O goberno dos EUA e os seus aliados, rouban a luz do dia fondos de comercio do Estado Bolivariano para depois acusaren ao goberno democrático de Venezuela de causar a ruina do pobo; o mesmo gabinete de Trump procura corromper a defensa militar bolivariana para fabricar a mentira dunha sublevación interna, mais a opinión pública mundial sabe que os golpes de Estado proceden sempre da oficina imperial. A mentira de Donald Trump é tan universalmente comentada que revela, mal que lle pese, o perfil da decadencia do imperio.

A Asociación de Amizade Galego-Cubana Francisco Villamil celebra co goberno lexítimo de Nicolás Maduro o triunfo da verdade e a resposta prudente e xusta da avangarda e do pobo bolivariano contra a mentira, a sabotaxe e a violencia imperial.

“O golpe lançou um processo devastador que já dura três anos” (Dilma Rousseff)

Dilma Rousseff – Brasil de Fato (29.04.19)

“Faz três anos, hoje, que a Câmara dos Deputados, comandada por um deputado condenado por corrupção, aprovou a abertura de um impeachment (processo de afastamento do cargo presidencial) contra mim, sem que houvesse crime de responsabilidade que justificasse tal decisão. Aquela votação em plenário foi um dos momentos mais infames da história brasileira. Envergonhou o Brasil diante de si mesmo e perante o mundo. A sistemática sabotagem do meu governo foi determinante para o rompimento da normalidade institucional. Foi iniciada com pedidos de recontagem de votos, dias após a eleição de 2014, e com um pedido de impeachment, já em março, com apenas três meses de governo”, escrebe a presidenta Rousseff no meio Brasil de Fato.

Dilma durante ato em defesa da democracia, no teatro dos bancários em Brasilia. Na projeção de fundo, Dilma com 19 anos, quando foi detida e torturada nos porões da ditadura.

“A construção do golpe se deu no Congresso, na mídia, em segmentos do Judiciário e no mercado financeiro. Compartilhavam os interesses dos derrotados nas urnas e agiam em sincronia para inviabilizar o governo.

O principal objetivo do golpe foi o enquadramento do Brasil na agenda neoliberal, que, por quatro eleições presidenciais consecutivas havia sido derrotada nas urnas. Para tanto, uma das primeiras ações dos interessados no golpe foi a formação de uma oposição selvagem no Congresso. Seu objetivo era impedir o governo recém-reeleito de governar, criando uma grave crise fiscal. Para isto, lançaram mão de pautas-bomba que aumentavam gastos e reduziam receitas. Impediam também, de forma sistemática, a aprovação de projetos cruciais para a estabilidade econômica do país. E, nos primeiros seis meses de governo, apresentaram 15 pedidos de impeachment.

O ano de 2015 foi aquele em que ganhou corpo essa oposição que atuava na base do “quanto pior, melhor”, e que, insensível para as graves consequências da sua ação para com o povo e o país, inviabilizava a própria realização de novos investimentos privados e públicos, ao impor a instabilidade como norma. Uma crise política desta dimensão paralisou e lançou o país na recessão.

Foi essa verdadeira sabotagem interna que tornou praticamente impossível, naquele momento, atenuar sobre o Brasil os efeitos da crise mundial caracterizada pela queda do preço das commodities (mercado de materias primas) pela redução do crescimento da China, pela disparada do dólar devido ao fim da expansão monetária praticada pelos EUA e, aqui dentro, pelos efeitos da seca sobre o custo da energia.

O golpe foi o episódio inaugural de um processo devastador que já dura três anos. Teve, para seu desenlace e atos subsequentes, a estratégica contribuição do sistema punitivista de justiça, a Lava Jato, que sob o argumento de alvejar a corrupção, feriu a Constituição de 1988, atingiu o Estado Democrático de Direito e impôs a justiça do inimigo como regra.

A relação mídia-Lava Jato permitiu que a imprensa se transformasse na 4ª instância do Judiciário, só tratando de condenar sem direito de defesa. A lógica política dessa relação está focada na destruição e criminalização do PT – em especial de Lula – e, para isso, utilizaram vazamentos às vésperas das eleições, delações sem provas, desrespeito ao devido processo legal e ao direito de defesa.

O efeito colateral dessa trama foi a destruição dos partidos do centro e da centro-direita, que se curvaram à tentação golpista. Foi isso que permitiu a limpeza do terreno partidário tão necessária para que vicejasse a ultradireita bolsonarista, como uma planta solitária, na eleição de 2018. No entanto, a arma final e decisiva foi a condenação, a prisão e a interdição da candidatura de Lula à presidência a fim de garantir a eleição de Bolsonaro. A ida do juiz Sérgio Moro para o Ministério da Justiça é a constrangedora prova desse dispositivo.

Por isso, o que aconteceu há três anos explica e é causa do que está acontecendo hoje. Há razões mais do que suficientes para que a história registre o 17 de abril de 2016 como o dia da infâmia. Foi quando o desastre se desencadeou; se desencadeou ao barrar os projetos dos governos do PT que tinham elevado dezenas de milhões de pessoas pobres à condição de cidadãos, com direitos e com acesso a serviços públicos, ao trabalho formal, à renda, à educação para os filhos, a médico, casa própria e remédios. Interromperam  programas estratégicos para a  defesa da soberania e para o desenvolvimento nacional, projetos que colocaram o Brasil entre as seis nações mais ricas do mundo e retiraram o país do vergonhoso mapa da fome da ONU.

O golpe resultou numa calamidade econômica e social sem precedentes para o Brasil e, em seguida, na eleição de Bolsonaro. Direitos históricos do povo estão sendo aniquilados. Avanços civilizatórios alcançados no período democrático que sucedeu à ditadura militar vão sendo dilapidados. Conquistas fundamentais obtidas nos governos do PT passaram a ser revogadas. Este processo radicalizou-se com um governo agressivamente neoliberal na economia e perversamente ultraconservador nos costumes. Um governo com uma inequívoca índole neofascista.

O governo Bolsonaro continua se apoiando na grande mentira midiática fundamento do golpe: a de que o Brasil estava quebrado quando os golpistas de Temer assumiram o governo. Esta falsificação dos fatos continua sendo brandida pela mídia e usada maliciosamente para justificar a recuperação que nunca veio e os empregos que não voltaram. Nem vão vir, enquanto durar a agenda neoliberal. A verdade é que o Brasil nunca esteve sequer perto de quebrar, durante o meu governo.

Um país só está quebrado quando não pode pagar seus débitos internacionais. Isto, por exemplo, aconteceu no governo FHC, quando o Brasil teve de apelar ao FMI para fazer frente ao seu endividamento externo e sua  falta de reservas. Em 2005, o presidente Lula quitou inteiramente a nossa dívida com o FMI e, depois disso, nossas reservas cresceram, atingindo 380 bilhões de dólares e tornando-nos credores internacionais.

Situação muito diferente do que acontece hoje, infelizmente, na Argentina de Macri, submetida mais uma vez às absurdas exigências do FMI

A mídia, por sua vez, não parou de construir a lenda de que o governo federal  estava quebrado e os gastos públicos descontrolados. Só faria sentido dizer que o governo federal estava quebrado se não conseguisse pagar suas próprias contas com tributos ou com a contratação de dívidas. Isso não ocorreu no meu governo. O Brasil continuou a arrecadar tributos e a emitir dívida, mantendo a capacidade de pagar suas próprias contas.

É bom lembrar que a dívida pública permaneceu em queda todos os anos, desde 2003, e atingiu o menor patamar  histórico, no início de 2014, antes do “quanto pior, melhor” dos tucanos e dos demais golpistas. Mas, em 2015, a dívida pública subiu. Ainda assim, mesmo com o aumento, a dívida permaneceu abaixo da registrada nas maiores economias desenvolvidas e em desenvolvimento. O problema nunca foi  o tamanho da dívida. Mas, sim, o seu custo, que permanece entre os mais altos do mundo, em razão das taxas de juros e dos spreads abusivos (diferença entre o valor que os bancos pagam para captar recursos e o valor cobrado para emprestá-los) praticados no Brasil, pelo sistema financeiro nacional. O que, aliás, explica seus lucros estratosféricos, mesmo quando o país passa por uma crise.

A mídia insiste, até hoje, em dizer que o meu governo perdeu o controle sobre os gastos, o que também não é verdade. O fato é que que a arrecadação caiu mais rápido do que os gastos. Os gastos cresceram, mas não em função do aumento da folha de salário dos funcionários, que permaneceu constante. É importante ressaltar que o que cresceu foi o valor das transferências sociais – como Bolsa Família e aposentadorias –, o que cresceu foi a oferta de serviços aos cidadãos – em especial saúde e educação. Todos esses dispêndios são fundamentais para resgatar injustiças históricas, reduzir desigualdades sociais e desenvolver o país.

A verdade é que os gastos do governo nunca estiveram descontrolados. Ao contrário, até caíram em termos reais. O que houve foi uma rápida redução das receitas, devido à paralisia que um processo de impeachment provoca nos investidores, que passaram a não ter segurança para criar novos negócios, abrir novas plantas e ampliar investimentos, deprimindo assim a economia e a arrecadação.

O governo Bolsonaro está ampliando um legado de retrocessos do governo Temer, mantendo e até aprofundando a absurda emenda do teto dos gastos, que reduz os investimentos em educação e na saúde; a reforma trabalhista, que abriu portas para a exploração mais brutal e para a leniência com o trabalho análogo à escravidão; a venda de blocos do pré-sal; a redução do Bolsa Família; a extinção para os mais pobres do Minha Casa Minha Vida e do Aqui Tem Farmácia Popular e a redução do Mais Médicos; a destruição dos principais programas educacionais e a dilapidação da Amazônia e do meio ambiente.

Culmina, agora, com a tentativa de  privatização (capitalização individual) da previdência social, com a emenda 06, artigo 201—A, e a retirada das regras da  previdência da Constituição, com o artigo 201, o que permitiria mudanças legais, que não exigem três quintos do Congresso para aprovação.  As mudanças que o governo quer fazer reforçam privilégios de uns poucos e sacrificam os aposentados de baixa renda, as mulheres, os trabalhadores rurais e urbanos, bem como aqueles que recebem o BPC.

Do “quanto pior, melhor” à prisão de Lula, do dia 17 de abril de 2016 – dia da  aceitação do impeachment pela Câmara, ao dia 7 de abril de 2018 – dia da prisão de Lula, o caminho para o Estado de exceção foi sendo pavimentado e as mentiras e falsidades da mídia tiveram um papel fundamental.

Mesmo os que se opõem a Lula mas prezam a democracia se constrangem com o escândalo da sua prisão e condenação ilegal, e já perceberam que ele é um prisioneiro político. Um inocente condenado sem crime, e por isso sem provas.

Lula sintetiza a luta pela democracia em nosso país. Lutar por sua liberdade plena significa enfrentar o aparato neofascista – militar, judicial e midiático – que está destruindo a democracia. Lula é a voz da resistência e carrega o  estandarte da luta democrática. Mesmo preso, é o maior inimigo do neofascismo que nos ameaça. Lula mostrou ao povo brasileiro, em cada gesto seu que se tornou público, que é possível resistir mesmo nas piores condições. A sua força moral nos fortalece, a sua garra nos anima, a sua integridade nos faz lutar por sua liberdade, que representa também as liberdades democráticas para todos os brasileiros”.

Lula está do lado certo da história.  #LulaLivre.