“Eles têm a força das armas; nós somos a força dos povos” (Díaz-Canel no cume do MNOAL)

TSA -Agencias

A intervenção do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel na asemblea do Movimento dos Paises Não Alinhados (MNOAL) celebrado em Bakú, reparou em temas medulares do movimento, recomendou actuar de forma unida em defesa dos povos, condenou ou bloqueio de Estados Unidos contra seu país e mostrou solidariedade com Venezuela, Bolívia e Nicarágua. No seu discurso, ou Presidente apoiou os esforços para tentar uma saída pacífica à confrontación em Síria e uma solução ao diferendo em torno do programa nuclear dá República Popular Democrática de Coréia e ou fim dá ocupação de Palestina. A declaração final de quase mil páginas, condena o cerco económico contra a ilha e se compromete a reconhecer os resultados que anuncie o poder eleitoral de Bolívia, onde a direita tenta um golpe de Estado. Aseguir reproduzimos a intervenção completa de Miguel Díaz Canel no cume celebrado na capital do Azerbaijão .

Os Não-Alinhados representam mais de dois terços das Nações Unidas e cerca de 55% da população mundial.

“Chegamos à bela e próspera Baku, depois de viajar mais de 11.300 quilômetros, rompendo o cerco do bloqueio — que nos últimos meses se intensificou brutalmente — porque os sérios desafios atuais exigem que retoquemos o papel que, como o movimento que agrupa a maioria do planeta, corresponde aos Não-alinhados na arena internacional.

Mais uma vez, tal como em 1961, é crucial que trabalhemos juntos, ligados aos princípios fundadores de Bandung, para a paz e o desenvolvimento dos povos. É nossa responsabilidade como políticos e ninguém fará isso por nós.

Perante o desprezo aberto dos Estados Unidos e de outros governos pelas justas reivindicações das nações do Sul; diante da obscena politização dos direitos humanos e do flagrante desrespeito ao direito dos povos de decidir seu sistema político, socioeconômico e cultural; na ausência de compromisso com o multilateralismo e os tratados internacionais, outros podem ser indiferentes. Nós não. Porque todas essas ações vão contra nossos povos.

As nações que, com seu sangue, suor e sofrimento, pagaram o preço mais alto do progresso e que emergiram da exploração e pilhagem coloniais, com séculos de atraso econômico e social, têm todo o direito de perguntar:

Por que as despesas militares continuam aumentando irracionalmente, enquanto os investimentos em desenvolvimento e cooperação são reduzidos?

Por que subestimar a gravidade das mudanças climáticas que colocam em risco a existência dos pequenos Estados insulares e a sobrevivência da própria humanidade?

Por que as armas não são silenciadas e as nações mais atrasadas e empobrecidas são compensadas pelos saques, com um tratamento justo, especial e diferenciado?

Cuba, primeiro pais da América Latina no MNOAL

Cuba tem a honra de ser o primeiro país da América Latina no MNOAL. Esse concerto de nações livres que opera sob regras democráticas e sem veto é o que defendemos e sonhamos ver um dia na ONU. Na força desses valores nos apoiamos, para reiterarmos: Nossa solidariedade com todos os povos que lutam porque seja reconhecido seu direito à autodeterminação; nossa rejeição às decisões unilaterais dos Estados Unidos em apoio a Israel e contra o Irã, que aumentam a instabilidade na região volátil do Oriente Médio; nosso chamado para encerrar a guerra contra o povo sírio e encontrar uma solução abrangente, justa e duradoura para o conflito israelense-palestino.

Saudamos o processo de aproximação e diálogo inter-coreano e condenamos as sanções unilaterais contra a RPDC.

Nossa forte rejeição das campanhas norte-americanas contra as forças políticas, líderes de esquerda e governos progressistas na América Latina e no Caribe; nossa firme solidariedade com o presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro, a Revolução Bolivariana e Chavista e a união cívico-militar de seu povo, que conseguiu defender a soberania do país contra as maiores ameaças e perigos.

Também reafirmamos nosso apoio e solidariedade com o governo nicaraguense diante das tentativas dos EUA de desestabilizar essa nação irmã.

Nossos parabéns ao povo do Estado Plurinacional da Bolívia por sua participação ativa no processo eleitoral e ao presidente Evo Morales Ayma por sua reeleição.

Denunciamos a tentativa de golpe de Estado e a campanha de deturpação, desestabilização e violência desencadeada por setores da oposição e instigada pelos Estados Unidos contra a paz e a segurança cidadã na Bolívia. A Bolívia dos povos nativos e difamados por séculos, que foi colocada por seu extraordinário líder entre os países com mais reservas e que mais crescem em nossa região. Em particular, devido aos sérios riscos que isso representa para nossa região e para o mundo, rejeitamos a decisão de ativar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), destinado a apoiar militarmente o desejo norte-americano de reviver a Doutrina Monroe no empenho alucinado de fazer a «Grande América», ao custo de recuperar as nações livres do continente como seu quintal.

Durante a Guerra Fria, eles chamaram-nos de Terceiro Mundo. Supunha-se que, ao não pertencermos a um bloco ou a outro, estaríamos livres das guerras. Porém nossos povos sabem, porque nos coube colocar os mortos e as perdas, que, se as armas algum dia estiveram frias, foi apenas entre os poderosos.

Praticamente não existe nação na África, Ásia e América Latina que não tenha sofrido o doloroso custo das guerras, de libertação ou de intervenção, de baixa, média ou alta intensidade, durante a segunda metade do século XX e até hoje.

Mesmo onde não houve morte e destruição, houve altos custos, quando os preços do que comprávamos dispararam e caiu o preço do que vendíamos; quando foi implantada a ditadura do dólar e das instituições financeiras abusivas nascidas dos chamados Acordos de Bretton Woods, esse grande engano que levou o mundo a girar em torno dos altos e baixos da política imperial.

Os poderosos, a partir de seus confortáveis ​​espaços blindados, transformaram nossos países em laboratórios e mercado de suas armas, deixando-nos como resultado milhões de mortos, deslocados, refugiados, famintos, violentos.

Ditaram regras universais de conduta que eles constantemente violam e elaboraram listas para nos excluir ou nos punir se não nos submetermos às leis cegas do mercado e à hegemonia imperial.

Terceira Guerra Mundial é a actual ofenssiva imperial

A Terceira Guerra Mundial não é a próxima Guerra. É a guerra sem data de início ou cálculo final, que durante anos vem sangrando nações nobres e pacíficas, com as armas dos exércitos imperiais, soldados mercenários e terroristas disfarçados de libertadores, em nome da luta contra o terrorismo, a defesa da democracia, a liberdade ou os direitos humanos. Mentira!

Nunca se mentiu tanto, com mais descuido e custo mais terrível para a grande maioria da Humanidade, em função dos interesses de uma minoria que levou seus luxos a excessos alucinantes.

No século XXI, ameaças e agressões de graus variados são lançadas contra todos os governos soberanos que se recusam a servir o poder hegemônico para instalar bases militares, entregar seus recursos ou ceder ao seu mandato.

Eis a heróica Venezuela, que durante décadas teve suas reservas quase infinitas de energia pilhadas, até a Revolução Bolivariana as resgatar para colocá-las a serviço de seu povo e da solidariedade e cooperação regional e internacional.

Contra a Venezuela que resiste, são lançadas as acusações mais perversas, aplicadas técnicas de guerra psicológica e promovida a desestabilização, em mil tentativas fracassadas de desencadear um conflito interno.

No auge da infâmia e do cinismo, o império acusa o governo bolivariano de ser um instrumento de Cuba.

Como não praticam ou conhecem a solidariedade, os cegos do mal e da impotência, acusam nossos profissionais de saúde de militares disfarçados e perseguem e bloqueiam o comércio entre nossas nações, afetando a vitalidade de nossas economias.

Eles quebram acordos, desencadeiam guerras comerciais, eletrônicas e da mídia. Fecham portas, levantam muros, confiscam ativos, roubam fundos, proíbem trocas. Ignoram e violam as leis internacionais. Prometem tornar a América grande, sua América que não é nossa, ao custo de reduzir o espaço restante para o resto do planeta.

«Vao pelo céu engolindo mundos», dizia o nosso José Martí.

É hora de responder-lhes. Os Não-Alinhados representam mais de dois terços das Nações Unidas e cerca de 55% da população mundial. Agrupamos nacionalidades, culturas, identidades, forças humanas e políticas de todos os signos, amantes da paz e dispostas a alcançar seu próprio desenvolvimento, mas sem exclusões ou hegemonismos.

Uma revisão de nossa história comum, das palavras e acordos de nossos líderes ao longo de seis décadas, ensina, em primeiro lugar, a vocação libertária e antiimperialista do movimento e a força extraordinária que pode emergir de nossa solidariedade e cooperação.

Juntos, derrotamos o colonialismo e o apartheid, enfrentamos agressões e interferências, fomes e desastres naturais, epidemias e cercos econômicos e políticos.

Agradecemos ao Movimento Não-Alinhado por sua posição histórica de condenação e rejeição do bloqueio de mais de cinco décadas contra nosso país e a Lei Helms-Burton, de marcante caráter extraterritorial, que expressa o grau exacerbado de agressividade dos Estados Unidos contra a resistência de nosso povo.

Essa política criminal é o principal obstáculo ao nosso desenvolvimento, mas também é uma expressão do desrespeito da grande potência pelos direitos humanos dos cubanos, pelo Direito Internacional e pelo livre comércio.

Contra toda lógica humana de coexistência em relação às diferenças, o bloqueio se intensifica por dia. Apenas uma semana se passa sem anunciar novas medidas de estrangulamento para nossa economia.

Tal como os piratas de outros tempos, o atual governo dos Estados Unidos estendeu sua política de redes de cerco até o mar, perseguindo e punindo empresas, navios e companhias de navegação envolvidas no transporte de combustível para Cuba.

Hoje queremos reiterar a vocês que não cederemos diante das ameaças e pressões e que não desistiremos do esforço de avançar em nosso projeto para construir uma nação próspera e sustentável. Mais próspera e mais sustentável, enquanto mais livre, independente, socialista e soberana.

Reconhecer trabalho de Venezuela no MNOAL

Em nome de Cuba, quero reconhecer o trabalho da Presidência da Venezuela à frente do Movimento, em meio às circunstâncias mais complexas e severas do cerco político imperial.

Ao mesmo tempo, comprometemos todo o nosso apoio ao desempenho da República do Azerbaijão no triênio 2019-2021.

Se vocês me permitirem, pegarei uma pequena folha da longa história dos Não-Alinhados para retornar às suas essências. Faz parte de um discurso de Fidel Castro, líder histórico da Revolução Cubana e um dos mais corajosos e ousados ​​defensores do desalinhamento. Fidel disse, na 6ª Cúpula de Havana, em 1979, que (e cito):

«A força de nossos países unidos é muito poderosa. Os reunidos aqui representam a grande maioria dos povos do mundo! Vamos todos nos unir, vamos concertar as crescentes forças de nosso vigoroso Movimento nas Nações Unidas e em todos os foros internacionais para exigir justiça. econômico para nossos povos, para que o domínio sobre nossos recursos e o roubo de nosso suor cessem! Vamos nos unir para exigir nosso direito ao desenvolvimento, nosso direito à vida, nosso direito ao futuro!»

Não esperemos que as bombas caiam na Venezuela ou em Cuba, como já caem na Síria e antes no Iraque e na Líbia, para apoiar sua reconstrução. Vamos impedir a agressão. Vamos parar a tempo a ambição descontrolada e a arrogância do império.

Cuba se orgulha de ter sido palco da Proclamação da América Latina como Zona de Paz e de ter acolhido em nossa Pátria as negociações para o fim do longo conflito na Colômbia, hoje também em risco pelas constantes tentativas de desestabilizar a região que os Estados Unidos promovem lá, onde mantêm 9 das 76 bases militares que possui em toda a América Latina.

Gostaria também de lembrar a disposição permanente de nosso país para dialogar sem condicionamento e com base no respeito recíproco. Três anos atrás, durante a cúpula anterior, apenas 21 meses se passaram desde o restabelecimento das relações entre os EUA e Cuba.

Lá na Ilha Margarita, território da Venezuela, nosso general-de-exército ratificou:

«… a vontade de manter relações de convivência civilizada com os Estados Unidos», mas ao mesmo tempo alertou que: «Cuba não renunciará a um só de seus princípios, nem fará concessões inerentes à sua soberania e independência. Não irá ceder na defesa de seus ideais revolucionários e antiimperialistas, nem no apoio à autodeterminação dos povos».

Confirmamos a decisão de continuar cooperando com os povos que a exigem, sob o princípio de compartilhar o que temos, não dando o que resta, porque não temos mais que valor.

Viemos para ratificar no Mnoal que as novas gerações de líderes de Cuba darão continuidade aos princípios que há quase 60 anos sustentamos no concerto das nações que o integram e que temos o desafio e a força para corrigir os desequilíbrios que colocam hoje em risco a paz mundial.

Digo, tal como José Martí, referindo-se a Nossa América, que os países que integram o Movimento dos Não-Alinhados: «Não podemos mais ser aquele povo de folhas, que vivem no ar, com o vidro carregado de flores, estalando ou zunindo, segundo a atitude do apricho da luz, ou o açoitem e ceifem as tempestades; as árvores precisam se alinhar, para que o gigante das sete léguas não passe! Está na hora da recontagem e da marcha unida».

Eles têm a força das armas. Nós somos a força dos povos!

Há um mundo historicamente atrasado aguardando nossos acordos e ações!

Proponho nos alinhar, mas apenas em torno dos nossos consensos: Não pela guerra, sim pela paz; não pelos hegemonismos, sim pelo multilateralismo; não pela interferência, sim pela soberania; não pela exclusão, mas pela inclusão; não pelo ódio, mas pela solidariedade; não pelo controle do mundo entre os poderosos, mas pela verdadeira liberdade e democratização das Nações Unidas e das relações internacionais.

Somente a unidade pode nos salvar. Somos mais: vamos fazer mais.

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará