EE.UU é o verdadeiro violador dos direitos humanos

19 mar (Prensa Latina) Por Erica Soares.

Os Estados Unidos dirigem uma campanha mediática contra Cuba para desvirtuar a luta da Revolución pelos direitos humanos em todo o planeta.

A arremetida publicitária, em plena coordenação no exterior com os grupos anticubanos e setores de direita especialmente norte-americanos e europeus, utiliza argumentos falsos sobre os centros penitenciários da Ilha e o tratamento aos reclusos.

Essas instalações na Cuba de hoje têm, entre suas principais tarefas, trabalhar para a reinserção na sociedade dos sancionados mediante planos educacionais, trabalho produtivo remunerado e benefícios para os presos de acordo com sua conduta. Seguir lendo EE.UU é o verdadeiro violador dos direitos humanos

A assembleia do Poder Popular de Cuba recusa a condena da UE

“Europa não têm moral para dar lições a Cuba: permite o contrabando aéreo de detentos, o estabelecimento de cárceres ilegais e a prática de torturas”

Havana, 11 mar (Prensa Latina) A Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba recusou hoje a imposição, a intolerância e a pressão como normas nas relações internacionais.

Em uma declaração divulgada nesta capital, o organismo legislativo criticou a postura do Parlamento Europeu, que no meio de uma campanha mediática, aprovou uma resolução de condenação contra a maior das Antilhas. Seguir lendo A assembleia do Poder Popular de Cuba recusa a condena da UE

Discurso de Rodriguez Parrilla en Genebra

Na Revolução Cubana jamais houve un caso de assasinato, tortura ou execuçao extrajudicial

O Chanceler de Cuba Bruno Rodriguez Parrilla afirmou na sessao da Comissao de Dereitos Humanos da Onu celebrada en Genebra que desde que a Revolução Cubana triunfou em 1959, em Cuba jamais houve um só caso de assassinato, tortura ou execução extrajudicial; jamais houve um “esquadrão da morte” nem uma Operação Condor”.

Cuba tem uma trajetória exemplar e limpa quanto à proteção do direito à vida, inclusive, mediante cooperação altruísta, além de suas fronteiras. Seguir lendo Discurso de Rodriguez Parrilla en Genebra

En Cuba non hai maltrato a presos

Nota da Asociacion de Amizade Galego-Cubana “Francisco Villamil”.

Medios de comunicación que militan dende hai anos contra a independenza de Cuba e o seu dereito a procurar a xustiza e a igualdade, perden as formas editoriais e lanzan unha campaña de graves incorreccions políticas contra a Revolución.

O pretexto é a morte nun hospital do preso Orlando Zapata, cando estaba a ser tratado das secuelas dunha prolongada folga de fame. A Asociacion de Amizade Galego-Cubana “Francisco Villamil” quer rectificar algunhas afirmacións saidas da máis intransixente militancia anti-comunista e espalladas con irresponsabel impaciencia por ventiladores públicos e privados. Seguir lendo En Cuba non hai maltrato a presos

As inquedanzas da xuventude cubana

Graziella Pogolotti – Juventud Rebelde

Contan que Raúl Roa, interrogado a inicios da década dos 50 por un grupo de estudantes acerca da diferenza entre os dese tempo e os participantes na Revolución do 30, respondeu: «Os mozos sempre son os mesmos, o que cambia son as circunstancias». Raúl Roa foi, ademais do inesquecible Chanceler da Dignidade, un extraordinario mestre. Máis alá da aula, á saída das súas clases, na daquela Plaza Cadenas, seguía conversando cos numerosos mozos que o rodeaban. A súa evocación viva de acontecementos, anécdotas e personaxes sementou ideas que contribuíron a conformar o ideario dos que asumirían a loita contra a tiranía de Batista.

A referencia parece necesaria nos días que corren, cando actitudes e comportamentos de moitos mozos defraudan as expectativas dos seus maiores. O enrarecemento do diálogo necesario pode ter consecuencias moi negativas. Propóñome despexar o tema do anecdotario conxuntural para tratar de abordar, a reserva de investigacións de maior alento, as causas do fenómeno. Seguir lendo As inquedanzas da xuventude cubana

Asociación de Amizade Galego-Cubana “Francisco Villamil"

Visit Us On TwitterVisit Us On Facebook