Raúl: “Santiago é exemplo do que se pode fazer, ainda com poucos recursos”

Santiago de Cuba – Letícia Martinez Hernández (Granma) 22.02.16

Perto das sete horas da manhã de sábado 20 de fevereiro, quando a cidade mal acordaba, presidente Raúl Castro surpreendeu seus moradores ao percorrer a pé a rua Enramada, desde Plaza de Marte até a Alameda, acompanhado do primeiro secretário do Partido na província, Lázaro Expósito Canto. Durante a caminhada, Raúl conversou coa malta da situação econômica do país e súas perspectivas; o contexto internacional; o restabelecimento das relações diplomáticas com os Estados Unidos; e aproveitando que entre os que se reuniam em seu redor havia oficiais das Forças Armadas mobilizados para a Campanha Antivetorial, alertou do risco de entrada a Cuba do vírus do Zika e a necessidade de cumprir medidas sanitárias estritamente.

A malta santiagueira comparte com Raúl na rúa da Emramada
A malta santiagueira comparte com Raúl na rúa da Enramada

Uma frase pronunciada por um dos tantos moradores de Santiago que saiu para cumprimentar Raúl, repete-se de boca em boca e que se anuncia como rápido resumo de quanto se tem trabalhado aqui, marcando as impressões desta jornada, na qual o general-de-exército compartilhou com o povo: “Quem viu Santiago depois da passagem do furacão Sandy, não pode acreditar que agora esteja tão esplêndida”.

Raúl recebeu manifestações de apreço da malta santiagueira que, além de agradecer-lhe a visita e pedir-lhe que retornasse mais frequentemente, enviara desejos de boa saúde e longa vida ao comandante-em-chefe Fidel Castro. “Santiago ama Fidel”, disseram-lhe. O presidente juntou-se para umas fotos com vários grupos, muitos  viandantes bateram instantáneas de Raúl caminhando pela avenida e não faltaram crianças que correram para onde ele estava e o abraçaram. Numa dessas esquinas um idoso lhe estendeu a mão dizendo-lhe que tinha estado com ele na Serra Maestra. As surpresas da rua Enramada continuaram quando Raúl chegou à creche Gloria Cuadras, situada em um antigo lar da família de Vilma Espín. Ali conversou com as crianças, sentou-se a brincar com elas e também lhes emprestou seu boné.

Mais tarde, visitou o Parque Zoológico da cidade, o Parque dos Sonhos e a Loma de San Juan, lugares sempre concorridos no sexto dia da semana mas que nessa manhã viram alterado seu ritmo habitual, quando o presidente cubano chegou a eles para conversar. Raúl falou depois com centenas de pessoas que o esperaram frente à sede do Partido Provincial, cerca do meio-dia. Depois de uma reunião ali com Lázaro Expósito, na qual examinaram o plano do bairro San Pedrito, o programa de construção de moradias da província, a reorganização urbana da cidade e o combate às ilegalidades, Raúl saiu para a rua e com um microfone nas mãos disse aos moradores: “poucas vezes retornei de Santiago tão contento como estou hoje”.

Em uma improvisada tribuna, após comentar várias anedotas com a população, comentou que havia aproveitado a visita à cidade, com motivo das honras fúnebres do comandante do Exército Rebelde Pedro Miret Prieto, para percorrer as ruas, como não tinha podido fazer em muitos anos. “A direção do Partido e o governo em Santiago estão dando um exemplo de tudo o que se pode fazer, ainda com poucos recursos”, expressou. “Vou-me embora satisfeito e voltarei”, disse. E depois acrescentou: “Estou contente com Santiago, continuem trabalhando”.

http://pt.granma.cu/cuba/2016-02-22/raul-santiago-e-um-exemplo-de-tudo-o-que-se-pode-fazer-ainda-com-poucos-recursos

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará